terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

O que é feito de... José Soares

Depois de algumas semanas sem aparecer por cá, por falta de tempo para investigar, regressa ao Chuto de Letra a rubrica «O que é feito de...». Hoje trago-vos a história de José Soares, defesa-central que representou o Benfica na década de 90.

Formado nos encarnados, José Soares foi uma das muitas esperanças do nosso futebol que nunca passou disso mesmo. Enquanto jovem foi internacional em todos os escalões, tendo mesmo participado no Mundial de sub-20 realizado no Qatar.

Dono de uma agressividade que marcou os grandes centrais daquela época, o jogador que hoje conta com 32 anos, chegou à equipa principal do Benfica em 94/95, tendo posteriormente sido emprestado ao Alverca até 98/99. Durante estes anos regressou por várias vezes à casa mãe, mas num período especialmente conturbado, era difícil para qualquer jovem conseguir agarrar um lugar no plantel.

No ano seguinte foi novamente cedido, desta feita ao Campomaiorense. Foi ao serviço dos alentejanos que protagonizou com Jardel, na altura no FC Porto, o jogo que marcou a sua carreira, e porque não, a do árbitro Bruno Paixão. Nesse encontro cometeu pelo menos dois penáltis sobre o brasileiro, sendo que nenhum foi assinalado, e ainda o agrediu à bofetada. Mesmo assim conseguiu manter-se em campo e ajudar a equipa a vencer por uma bola a zero.

Na temporada seguinte rumou ao Aves e em 2001/02 deu início a uma aventura pelo estrangeiro que o levou a França, para actuar no Istres e à Alemanha, onde defendeu as cores do modesto Schweinfurt. Dois anos mais tarde os países árabes tornaram-se no “Eldorado” de José Soares. Al-Etiffaq da Arábia Saudita e o Al-Shamal do Qatar, foram os clubes que o acolheram até 2006/07, altura em que regressou a Portugal para jogar dois anos no O Elvas.

Esta temporada conseguiu finalmente jogar num grande país do futebol, embora num campeonato sem expressão. O Badajoz que milita na II Divisão espanhola.

2 comentários:

gerson disse...

o cara já até perdeu a noção de quantos times passou, hehehe

Jotas disse...

lembro-me perfeitamente desse jogo, José Soares nesse jogo até podia ter esfaqueado o Jardel, que nada acontecia, na verdade nunca vi um defesa bater e agarrar tanto e nada lhe suceder.
Sempre o achei um jogador vulgar.